Lição 10

27 de maio a 2 de junho

A profecia e a Bíblia

“Assim, temos ainda mais firme a palavra dos profetas, e vocês farão bem se a ela prestarem atenção, como a uma candeia que brilha em lugar escuro, até que o dia clareie e a estrela da alva nasça em seus corações” (2Pe 1:19).

Prévia da semana: Pedro mencionou suas experiências sensoriais com Jesus como base confiável para os relatos que fez sobre o poder e a vinda de Cristo. Contudo, ele declarou que a palavra profética de Deus é ainda mais segura do que essas experiências subjetivas, pois ela tem sua origem no Espírito Santo.

Leitura adicional: Mateus 16:13-20; Atos 2:14-41. Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, capítulo 3, “A Plenitude do Tempo”; O Grande Conflito, capítulo 22, “Profecias Alentadoras”; Caminho a Cristo, capítulo 10, “O Deus que Eu Conheço”

Domingo, 28 de maio

Profecias que não falham

O noticiário da TV nos apresenta a previsão do tempo: Amanhã pode chover na região tal; o sol pode predominar nas cidades de […] Os apresentadores da previsão do tempo informam o que eles “preveem” que irá acontecer. Estatísticas e informações são usadas para apoiar sua previsão. Às vezes chove, como havia sido previsto, mas, às vezes, não. As previsões e predições humanas nem sempre se concretizam da maneira esperada.

No entanto, a Bíblia contém profecias reveladas por Deus aos Seus servos. Jesus usou muitas parábolas em seus ensinamentos, porém, Ele também profetizou sobre acontecimentos futuros. Certa vez, por ocasião da páscoa judaica, em Jerusalém, Ele expulsou os comerciantes do templo, e disse: “Destruam este templo, e Eu o levantarei em três dias” (Jo 2:19). Embora todos pensassem que fosse algo impossível de se fazer em tão pouco tempo, Jesus, na verdade, estava profetizando que morreria e depois ressuscitaria no terceiro dia.

Alguns trechos das cartas do apóstolo Pedro também contêm profecias. Sua maneira de pensar e suas profecias refletem o que ele assimilou de Jesus. Em sua mensagem, Pedro alertou os cristãos primitivos. Ele nos adverte que devemos nos preparar porque o fim está próximo (1Pe 4:7). Isso tem relação com o que Jesus disse em Mateus 24. Nesse tempo, profetizou Pedro, surgiriam “escarnecedores zombando e seguindo suas próprias paixões” (2Pe 3:3). Sem dúvida, esse tempo já chegou e precisamos estar alertas. Também devemos nos proteger contra os “falsos profetas. Eles vêm […] vestidos de peles de ovelhas, mas por dentro são lobos devoradores” (Mt 7:15).

As predições humanas sobre eventos futuros podem falhar e nunca se concretizar, mas as profecias da Palavra de Deus não falham. As profecias bíblicas já cumpridas mostram que podemos confiar no cumprimento de tudo está escrito na Bíblia, como Deus revelou por meio de Seus servos, os profetas. Ao estudar a lição desta semana, tenhamos a convicção de que podemos nos firmar na “palavra profética”, porque “nenhuma profecia da Escritura vem de particular elucidação” (2Pe 1:19, 20).

Osvald Taroreh | Jacarta, Indonésia


Mãos à Bíblia

Ao escrever suas epístolas, Pedro tinha certeza de que Jesus era Aquele a quem os profetas do Antigo Testamento se haviam referido. Sua confiança nas Escrituras o ajudou a reconhecer o Verbo que “Se fez carne” (Jo 1:14).

1. O que os seguintes textos ensinam sobre as profecias a respeito de Jesus? Sl 22; Is 53:1-12; Zc 12:10; 13:7; Jr 33:14, 15; Dn 7:13, 14

Em 1 Pedro 1:10-12, o apóstolo declarou a seus leitores que eles ocupavam uma posição muito especial na história da salvação, tendo recebido uma revelação muito maior do que a dos profetas do Antigo Testamento. Os profetas falaram às pessoas de sua própria época; no entanto, algumas partes fundamentais de suas mensagens não foram cumpridas senão quando Cristo veio.

Certas coisas preditas pelos profetas somente se cumpriram nos dias em que os leitores de Pedro viveram.


Segunda, 29 de maio

A firme palavra dos profetas

Entre todos os discípulos, Pedro era o que mais se destacava. Ele era impetuoso, imprevisível, imprudente, alguém com quem muitos poderiam se identificar em seus conflitos pessoais. No entanto, após sua conversão, ele se tornou grande líder, apóstolo e profeta.

Como os profetas recebiam a revelação divina? Quanto conseguiam entender do que escreviam? Como a Bíblia e suas profecias chegaram até nós? (2Pe 1:12-21).

Paulo escreveu a Timóteo: “Toda a Escritura é inspirada por Deus” (2Tm 3:16). Portanto, nenhuma parte dela é invenção humana. A palavra “inspirada” é traduzida do termo grego theopneustos, o qual é composto por duas palavras, theos, “Deus”, e pneustos, “sopro, fôlego, ar em movimento”. Adão, ao ser criado, recebeu o “sopro de Deus”, o que significa que Deus, literalmente, soprou o fôlego de vida dentro dele. A Bíblia é chamada a Palavra viva de Deus. Ela tem poder para nos convencer, corrigir, e instruir sobre o que devemos fazer para crescer até a plenitude de Deus.

A segunda carta de Pedro 1:19-21 define o papel do profeta. Ele era chamado para ser o porta-voz de Deus, mensageiro, conselheiro, orientador, mas também para profetizar eventos futuros e declarar ao povo a vontade divina. Predizer o futuro não era a principal função do profeta. Contudo, suas palavras ou escritos tinham a inspiração do Espírito Santo.

Ronie Panambunan | Bekasi, Indonésia


Mãos à Bíblia

2. De acordo com 2 Pedro 1:16-18, quais outras evidências o apóstolo deu para sua fé em Jesus? Assinale “V” para verdadeiro ou “F” para falso:

  • A.( ) Sonhos, visões e fábulas poderosas.
  • B.( )A voz de Deus no monte da transfiguração.
  • C.( ) O fato de que ele tinha sido uma testemunha ocular da majestade divina.

3. Qual acontecimento testemunhado pelo apóstolo é especialmente enfatizado em 2 Pedro 1:17, 18? Qual é a importância desse evento? Assinale a alternativa correta:

  • A. ( ) O momento em que Jesus afundou no mar da Galileia. Os discípulos viram que não podiam confiar nem mesmo em Cristo.
  • B. ( ) A ocasião em que o Pai abandonou o Filho na cruz. Os discípulos perceberam que Jesus havia morrido em vão.
  • C. ( ) O evento em que se ouviu a voz do Pai na transfiguração de Jesus.

Pense nisto

  • Cremos que os escritos de Ellen G. White também foram inspirados por Deus. De que maneira eles poderiam ser apresentados às pessoas que não têm a nossa crença?

Terça, 30 de maio

A estrela da alva em nosso coração

Vivendo na escuridão (Gn 1:2; Jó 3:5; 30:26, 27; Pv 2:13). Na Bíblia, as trevas estão associadas à ausência de vida (Gn 1:2), às consequências da rebelião contra Deus (Êx 10:21), ao ato de abandoná-Lo (Pv 2:13), à morte (Jó 3:5; 10:21; Sl 107:10, 14) ou a situações trágicas enfrentadas pelos filhos de Deus (Jó 30:26, 27; Sl 143:3). Esses textos mostram que os períodos sombrios podem sobrevir a qualquer pessoa, independentemente de sua condição diante de Deus.

Os momentos sombrios são desagradáveis, inconvenientes e desconfortáveis. Por isso, Deus tomou a iniciativa de iluminar aqueles que estão em trevas, a fim de que possam sair delas. O que tem trazido “trevas” sobre sua vida? Suas escolhas ou seus inimigos? (Jó 30:26, 27; Sl 143:3).

Das trevas para a luz (Gn 1:2-4; Êx 19:4-6; 1Pe 2:9). Quando Deus iniciou a criação do mundo, “a Terra era sem forma e vazia; trevas cobriam a face do abismo” (Gn 1:2). No entanto, logo no primeiro dia da criação, Deus disse: “Haja luz”, e a luz dissipou as trevas, e Deus viu que a luz era boa (Gn 1:3, 4).

Onde quer que existam trevas, Deus toma a iniciativa de levar luz. Os israelitas se encontravam em trevas quando estiveram como escravos no Egito, antes de Deus libertá-los para que fossem Seu povo especial (Êx 19:4-6). Isso se tornou uma analogia de como Deus nos chama “das trevas para a Sua maravilhosa luz”, a fim de ser o Seu Israel espiritual (1Pe 2:9, 10).

Talvez tenhamos escolhido nos rebelar contra Ele ou afastá-Lo de nossas considerações, e agora vivamos em trevas. Quem sabe tenhamos tomado uma decisão errada, o que fez com que nossa consciência ficasse obscurecida. Ou possivelmente estejamos passando por circunstâncias infelizes, enfrentando amarguras e desapontamentos. Não importa quão densas sejam as trevas em que nos encontremos, Deus deseja iluminar nossa vida e espantar a escuridão que nos atormenta.

Cristo, a Luz do mundo (Sl 119:105; Jo 1:14; Is 42:16; 2Pe 1:19). Àqueles que estão em trevas, Deus dá Sua Palavra para lhes servir de “lâmpada que ilumina os […] passos e luz que clareia o […] caminho” (Sl 119:105). Para nos revelar o Pai, o próprio Jesus Se “tornou carne e viveu entre nós” (Jo 1:14). Ele é a verdadeira Luz que pode dissipar nossas trevas. Isaías profetizou que Ele seria “luz para os gentios, para [levar] a […] salvação até aos confins da Terra” (Is 49:6); para “abrir os olhos aos cegos […], livrar do calabouço os que habitam na escuridão” (Is 42:7); “[transformar] as trevas em luz diante deles, e [tornar] retos os lugares acidentados” (Is 42:16).

Pedro destacou que devemos confiar na palavra profética como a “uma candeia que brilha em lugar escuro, até que o dia clareie e a estrela da alva nasça em [nossos] corações” (2Pe 1:19), pois todas as profecias referentes ao Messias haviam se cumprido. Ele admoestou aqueles que estavam em trevas a fixar os olhos em Jesus, Aquele que cumpriu todas as profecias do Antigo Testamento. “Os leitores de Pedro viviam no ambiente escuro da cultura pagã, por isso precisavam de toda luz espiritual possível a fim de evitar as muitas armadilhas que os cercavam” (Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, v. 7, p. 658).

Não podemos deixar que as trevas destruam nossa fé. Talvez você não esteja sentindo a luz celestial brilhando em sua vida hoje, mas não se esqueça de que “a vereda do justo é como a luz da alvorada, que brilha cada vez mais até à plena claridade do dia” (Pv 4:18). Precisamos conservá-la, prestar atenção a ela, dirigir nossos olhos para ela, desviando-os da escuridão a cada momento. Certamente, sua noite de choro irá passar e Jesus a transformará em uma feliz manhã.

Cristo, a brilhante Estrela da Alva, traz luz ao nosso coração e à nossa consciência obscurecida. Sua luz nos concede nova vida quando somos iluminados por Sua Palavra. Quando o Sol da justiça de Cristo desponta em nossa vida, Ele nos traz cura, as trevas se transformam em luz, a noite em dia e o choro em alegria.

Portanto, deixemos também nossa luz brilhar “diante dos homens, para que vejam as [nossas] boas obras e glorifiquem ao [nosso] Pai […], que está nos céus” (Mt 5:16).

Elvis Sumanti | Airmadidi, Sulawesi Utara, Indonésia


Mãos à Bíblia

4. Leia 2 Pedro 1:19. Por que esse verso é tão importante para nós? Assinale a alternativa correta:

  • A. ( ) Porque esclarece nossa condição. Somos pecadores em trevas. Precisamos de Jesus para chegar à luz.
  • B. ( ) Porque revela que precisamos aceitar qualquer palavra profética que escutamos, não importando a procedência.
  • C. ( ) Porque revela que no Céu seremos estrelas da alva e iguais a Deus.

Nessa passagem, assim como em muitas partes da Bíblia (Gn 1:4; Jo 1:5; Is 5:20; Ef 5:8), é feita uma distinção entre luz e trevas. Para Pedro, a Palavra de Deus brilhava como luz em lugar “tenebroso” (alguns traduzem a palavra tenebroso como “imundo”, “sujo”). Por essa razão, ele deixou muito claro que devemos seguir essa luz até que “o dia clareie e a estrela da alva nasça em” nosso “coração”. Somos seres caídos. Vivemos em um mundo caído e tenebroso. Precisamos que o poder sobrenatural de Deus nos tire dessa escuridão e nos conduza à luz que é Jesus.

O estudo da Bíblia nos ajuda a conhecer melhor a Cristo.

Pense nisto

  • Quais escolhas ou circunstâncias podem nos levar a viver em trevas?
  • O que tem impedido que a luz de Cristo brilhe em sua vida?
  • De que maneira podemos deixar nossa luz brilhar sobre outros a fim de que eles também possam louvar e glorificar a Deus?

Quarta, 31 de maio

O evangelho, o centro da profecia

“Pedro, ao pregar sobre Cristo, tinha apresentado provas do Antigo Testamento. Estêvão procedeu de modo idêntico. Também Paulo, em seu ministério, recorreu às passagens que prediziam o nascimento, os sofrimentos, a morte, a ressurreição e a ascensão de Cristo. Pelo inspirado testemunho de Moisés e dos profetas, provou claramente que Jesus de Nazaré era o Messias e demonstrou que, desde os dias de Adão, foi a voz de Cristo que falou por intermédio dos patriarcas e profetas.”1

“A grande obra do evangelho não será concluída com menor manifestação do poder de Deus do que a que marcou seu início. As profecias que se cumpriram no derramamento da chuva temporã no início da proclamação do evangelho se cumprirão novamente na chuva serôdia, na conclusão dessa obra. Esses são ‘os tempos de refrigério’ aos quais o apóstolo Pedro se referiu quando disse: ‘Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados, a fim de que, da presença do Senhor, venham tempos de refrigério, e que envie Ele o Cristo, que já vos foi designado, Jesus’ (At 3:19, 20, ARA).”2

“Pedro disse: Desta salvação ‘os profetas que falaram da graça destinada a vocês investigaram e examinaram, procurando saber o tempo e as circunstâncias para os quais apontava o Espírito de Cristo que neles estava, quando lhes predisse os sofrimentos de Cristo e as glórias que se seguiriam àqueles sofrimentos. A eles foi revelado que estavam ministrando, não para si próprios, mas para vocês’ (1Pe 1:10-12). Que lição para o povo de Deus na era cristã! Aqueles santos homens de Deus ‘investigaram e examinaram’ a respeito das revelações dadas para gerações ainda não nascidas. Que repreensão para a indiferença mundana que se contenta em declarar que as profecias não podem ser compreendidas!”3

  1. Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 221, 222.
  2. Ellen G. White, O Grande Conflito, p. 611, 612.
  3. ___________ , From Here to Forever, p. 214.

Darryl Timothy | Jacarta, Indonésia


Mãos à Bíblia

5. Leia 2 Pedro 1:19-21. A quais profecias Pedro se referiu? O que ele quis dizer ao declarar que nenhuma profecia das Escrituras provém de particular elucidação? Assinale a alternativa correta:

  • A. ( ) Às profecias sobre a queda de Babilônia. Toda profecia é dada por entidades espirituais evoluídas.
  • B. ( ) Às profecias contra o rei de Tiro. Toda profecia é fruto do pensamento humano.
  • C. ( ) Às profecias do Antigo Testamento. Nenhuma profecia é fruto de interpretação pessoal, mas provém da vontade de Deus e da inspiração do Espírito Santo.

Pedro apresentou duas evidências a fim de enfatizar que o cristianismo não está fundamentado em fábulas engenhosamente inventadas (2Pe 1:16). Primeiramente, seu testemunho ocular (2Pe 1:16-18); em segundo lugar, as profecias das Escrituras (2Pe 1:19-21), um argumento que ele havia utilizado anteriormente (1Pe 1:10-12).

Pense nisto

  • Por que é importante fazer de Jesus o centro das profecias?
  • Em sua opinião, as novas gerações têm dado importância ao estudo das profecias do fim dos tempos?

Quinta, 1º de junho

O sol está nascendo

Um dos ditados da língua inglesa é: “Você pode levar o cavalo até a água, mas não pode forçá-lo a beber.” Esse conceito também pode ser aplicado à vida do cristão. Podemos ir à igreja, cantar hinos, estudar a Bíblia e até memorizar seus versos, mas desenvolver uma fé inabalável e um relacionamento profundo com Cristo é algo completamente diferente.

Pedro andou com Cristo, conversou e viajou com Ele, e ouviu Seus ensinamentos durante três anos e meio. Testemunhou Seus milagres e até se dispôs a morrer pelo Mestre. Mas, apesar de sua íntima ligação com Jesus, Pedro não desenvolveu fé genuína até o momento de sua verdadeira conversão. Ele depositava mais confiança em si mesmo do que em Jesus. Após negar Jesus por três vezes, a tristeza do Salvador pela autossuficiência de Pedro o levou ao arrependimento. Só então Pedro chegou “ao ponto decisivo, e se arrependeu amargamente de seu pecado. […] Findou aí sua confiança própria.”1

O cantar do galo assinalava que o dia estava amanhecendo. Enquanto a luz do sol penetrava a escuridão e espantava as trevas da noite, a luz gloriosa no semblante de Cristo rompeu as trevas que estavam no coração de Pedro. Por meio dessa luz, ele conseguiu ver sua condição miserável.

Pedro seguiu os ensinos da Bíblia e esteve ao lado de Cristo o tempo todo, mas nada disso lhe adiantou, até que a Estrela da Alva nasceu em seu coração e revelou seus erros. “Quando o homem percebe sua completa incapacidade, então está preparado para ser vestido com a justiça de Cristo.” É nesse momento que o Salvador o ajuda a desenvolver fé genuína, que tira a confiança do próprio eu e a coloca no Deus Onipotente.

  1. Ellen G. White, Vidas que Falam, p. 321.
  2. ___________ , A Fé Pela Qual Eu Vivo, p. 111.

Ramon J. Tengkano | Jacarta, Indonésia


Mãos à Bíblia

6. De acordo com 2 Timóteo 3:15-17, qual é a função das Escrituras em nossa vida? Como essa passagem bíblica reforça a verdade de 2 Pedro 1:19-21? Assinale “V” para verdadeiro ou “F” para falso:

  • A.( ) A Bíblia existe para nos oprimir. Assim como Pedro, Paulo enfatizou que as Escrituras são produto de espíritos estranhos.
  • B.( ) Sua função é nos guiar ao desespero, pois revela nossos pecados e não nos apresenta alternativa para eles. Paulo questionou a posição de Pedro quanto à autoridade das Escrituras.
  • C.( ) Ela existe para nos conduzir à verdade. Ela nos ensina, corrige, repreende e instrui na justiça. Pedro e Paulo declararam que as Escrituras não têm origem humana, mas divina.

Pense nisto

  • Você deseja ter uma experiência transformadora como a de Pedro?
  • O que significa o fato de o Sol da justiça nascer em nosso coração?
  • Que tipo de fé podemos desenvolver ao estudar a Palavra de Deus?

Sexta, 2 de junho

“Siga-me”

Na década de 1980, uma série de TV chamada Follow Me! [Siga-me!] ajudava os telespectadores a aprender inglês por meio da conversação em seu dia a dia. Foi um programa de grande audiência e teve “seguidores” em muitos países. O que levava as pessoas a gostar do programa? O sotaque britânico, tão interessante? Ou as histórias bem montadas?

As pessoas se tornam admiradoras de algo ou de alguém e “seguem” determinada pessoa ou coisa por diferentes motivos, que podem ser fortes e razoáveis, mas também podem ser fracos e impraticáveis. Em alguns casos, as pessoas podem fazer isso por uma razão totalmente inesperada. Note como as pessoas são facilmente influenciadas pelas redes sociais.

Os seguidores desempenham um papel importante; mais importante, às vezes, que o do líder. Bárbara Kellerman, em seu livro Como os Seguidores Fazem os Líderes, divide os seguidores em cinco categorias: (1) O seguidor isolado, que não conhece o líder ou tem dele apenas um conhecimento limitado; (2) O seguidor espectador, que sabe o que está acontecendo, mas escolhe não participar; (3) O seguidor participante, que se empenha de alguma forma; (4) O seguidor ativista, que tem fortes sentimentos em relação ao seu líder e age de conformidade com isso; e (5) O seguidor fanático, que está disposto a arriscar tudo pelo líder.

Podemos também ver essas características na igreja. Alguns preferem ficar de lado e observar, outros gostam de participar e apoiar o líder e a organização, alguns são muito ativos e cheios de energia, enquanto outros são profundamente devotados aos líderes e dispostos a se sacrificar por eles.

Pedro e Paulo escreveram confiantemente sobre Jesus. Eles creram nEle e em Seus ensinos. A mensagem de Jesus para nós é muito clara; é a mesma mensagem dada a Pedro: “Cuide das Minhas ovelhas.”

Gilbert Sigar | Jacarta, Indonésia


Mãos à obra

  • Anote as previsões do tempo diariamente durante uma semana. Depois, compare-as com a realidade. Quanto foram exatos esses boletins meteorológicos?
  • Pergunte ao líder de desbravadores ou outra pessoa de sua igreja como as estrelas podem ser usadas para orientação. O que há nas estrelas que as torna confiáveis como pontos de orientação? De que forma isso é um símbolo de Jesus como a Estrela da Alva em nossa vida?
  • Elabore um sermão semelhante ao que Pedro fez em Atos 2:14-40. Se houvesse um grupo de pessoas em sua vizinhança, desejoso de saber por que você crê em Jesus e está empolgado com Ele, como explicaria sua fé em um contexto que fizesse sentido para elas?
  • Leia as referências bíblicas sobre luz e trevas mencionadas na lição de terça-feira. Tente ilustrar uma ou mais dessas imagens relacionadas.
  • De que maneira sua igreja poderia se empenhar mais para colocar Cristo no centro de tudo o que faz?

Pense nisto

  • Não tivemos o privilégio de aprender diretamente de Jesus. Podemos ser Seus seguidores?
  • Qual é nosso desafio hoje? Como podemos ajudar a cuidar das ovelhas de Jesus e influenciá-las a segui-Lo?

www.000webhost.com